Site da Prelazia do Xingu Quer dar um basta à pirataria sem pagar nada? Dados estatísticos Altamira...
ARTIGOS DOM ERWIN: em Português ; em Alemão







BLOG ESTÁ INATIVO, SERÁ MANTIDO PARA FINS DE CONSULTAS - PARA NOTÍCIAS ATUAIS VÁ AO SITE DA PRELAZIA (LINK NO TOPO) .

segunda-feira, 27 de abril de 2009

comunidade São José

A comunidade São José convida toda a população Altamirense para participar da celebração em homenagem ao seu padroeiro será no dia dois de maio às 18:30 na Igreja.
Logo após a celebração acontecerá uma Rifa no valor de cinco reais adquirindo você concorrerá a 15 prêmios.

Não deixe de homenagear São José.

NOTA DE ESCLARECIMENTO
A Coordenação da campanha Doação Premiada informa que o sorteio dos prêmios vai ser realizado já neste sábado dia dois de maio na comunidade São José após a missa das 18:30

Aconteceu


Dia 20.04
* Um homem foi preso pela policia militar acusado de ter furtado uma residência no bairro Brasília. A proprietária da casa registrou ocorrência na delegacia e disse que é necessário reforçar a segurança publica em Altamira.

* Cabos da Polícia Militar participaram de um curso especializado em gerenciamento de crise. A parte prática do curso simulou um seqüestro, ação que necessitou do negociador técnica, paciência e habilidade.

* Técnicos da secretaria estadual de meio ambiente divulgaram um laudo preliminar que apontou o rompimento de nove mini-barragens construídas em açudes ao redor de Altamira, o açudes contribuiram para inundação do último dia 12.

Dia 21.04

* Um aposentado de 87 anos foi encontrado morto em sua residência nas Olarias. Alexandre da Silva morava sozinho e segundo a polícia sua morte teria sido de causa natural.

Dia 22.04

* A Policia Rodoviária Federal realizou na BR 230 a operação Tiradentes, durante a fiscalização duas motocicletas foram apreendidas por que estavam com a documentação atrasada.

* O Secretário de Transportes do Estado, Valdir Ganzer, vistoriou o local da ponte sobre o igarapé Altamira que foi levada pela força água no último dia 12. Ganzer anunciou a reconstrução da ponte com investimentos de cerca de 500 mil reais.

* Chegaram à Altamira as primeiras doações da campanha enchentes de solidariedade promovida pelos funcionários dos Correios em Belém. Os alimentos, as roupas e os sapatos foram separados e distribuídos com o auxilio de voluntários da Paróquia Nossa Senhora do Perpetuo Socorro.

Dia 23.04


* Ocupantes das casas que estavam sendo construídas pela Prefeitura em parceria com o Governo Federal impediram que funcionários da Prefeitura retirassem do local as caixas d’ água que estão instaladas no bairro. Eles aguardam a presença do executivo municipal para dar uma resposta quanto às casas e os terrenos que foram ocupados há 14 dias.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

ACONTECEU



Dezenas de pessoas invadiram as 80 casas que estavam sendo construídas pelo município em parceria com o governo federal. Na obra iniciada a um ano e oito meses estava abandonada lá foram investidos mais de um milhão de reais. Quem não conseguiu ocupar uma casa loteou e limpou a área em volta.

Depois de 8 horas de intensas chuvas Altamira viveu um domingo de enchentes quando algumas barragens ao redor do município se romperam e água invadiu casas e comercio da cidade. Dezenas de famílias perderam tudo. A força da água abriu uma cratera na estrada do aeroporto, levou a ponte da rodovia Ernesto Acioli e causou grandes prejuízos, muitas pessoas se desesperaram ao ver o trabalho de uma vida inteira sendo levado pela força da água.

O caos se instalou em Altamira o transito ficou complicado na única ponte que ligava o bairro brasília com o centro da cidade. Por causa da enchente as outras pontes foram danificadas. Todos tinham dificuldade para chegar nos locais de destino.

Duzentas e oitenta e cinco famílias vitimas da enchente foram levadas para abrigos improvisados pela defesa civil. Algumas pessoas saíram das casas só com a roupa do corpo.


* O Ibama afirmou que todas as barragens construídas ao redor de Altamira são irregulares. O ministério publico disse que iria o acompanhar os trabalhos para responsabilizar pessoas que foram culpadas pela tragédia em Altamira. Homens e maquinas começaram os trabalhos de recuperação da estrada do aeroporto.

Passageiros de um ônibus viveram momentos de terror durante um assalto ocorrido próximo ao município de Novo Repartimento. Sete homens fortemente armados levaram todos os pertences das pessoas. Eles só puderam registrar ocorrência quando chegaram em Altamira.

A defesa civil montou um cronograma de trabalho a ser desenvolvido junto as famílias vitimas da enchente. Com auxilio de um helicóptero as pequenas barragens que existem ao redor do município foram vistoriadas.

A governadora Ana Julia Carepa esteve em Altamira sobrevoou o município, passou por ruas que foram afetadas e visitou um abrigo. Ana Julia participou de uma reunião com a equipe da defesa civil onde os dados foram repassados e foi decretada a situação de emergência. O governo do estado se comprometeu em reconstruir a ponte da rodovia Ernesto Acioli em ajudar na reconstrução da casas que foram afetadas mandar cestas básicas, mosqueteiros, colchões e cobertores para as vitimas da enchente.

terça-feira, 14 de abril de 2009

Altamira sob águas

Altamira estouro das represas

Colégio Metodista

Transamazônica

Km 18 Transamazônica

Final da Djalma Dutra com a Travessa Comandante Castilho

Avenida Perimetral em ligação com o B. Brasília

A ponte da Coronel José Porfírio foi arrastada pelas águas e cortou a ligação com os bairros Brasília, Peixaria, Alberto Soares e São Domingos.

Fotos: Júlio Garcia/Prelazia do Xinu

segunda-feira, 13 de abril de 2009

Rompimento de barragens em Altamira

A população Altamirense viveu um dos piores dias de sua história ontem, quando o rompimento de barragens inundou a parte baixa da cidade. Desespero, correria e muita tristeza de quem viu tudo acabar em menos de uma hora. As pessoas tentavam salvar como podiam os móveis, os animais e a própria vida. A força da água levou pontes, casas e destruiu comércios. Na estrada do aeroporto uma cratera foi formada depois que o asfalto cedeu. Vários órgãos de segurança foram mobilizados. Fenômeno natural ou teimosia do homem que insiste em barrar o curso natural da água sem se preocupar com as consequências dessas atitudes.

O desespero tomou conta dos moradores de Altamira ontem quando a água de uma barragem estourou invadiu a cidade em menos de uma hora as pessoas perderam tudo. Foi um dos dias mais difíceis que o município já viveu.

Na rua Manoel Umbuzeiro às 10:00 h da manhã de domingo os moradores tiravam das residências invadidas pela água tudo que podiam e do jeito que dava. Pessoas choravam por que perderam tudo.

O caos se instalou na cidade vários pontos ficaram debaixo d’agua. No bairro Sudam I, na rua dos Operários foi preciso nadar para sair de dentro da casa. Pessoas tiveram que ser contidas por que queriam buscar por parentes em meio a enchente. Barcos eram utilizados para retirada do móveis.
A avenida Perimetral também foi tomada pela água. No final da Djalma Dutra com Comandante Castilho o desespero foi total devido a quantidade de água nas casas, Altamira era o caos. Esta situação fazia o pessoal lembrar na possibilidade da construção da barragem de Belo Monte que caso fosse construída traria um caos pior ainda, pois o Rio Xingu estaria mais cheio que atualmente.
Na estrada do aeroporto o mato amassado mostrava por onde a água havia passado o asfalto cedeu e abriu uma cratera de cerca de 10 metros de largura deixando a estrada interditada. O trânsito ficou complicado em toda a cidade. Era impressionante o volume de água que descia dos igarapés para o Rio Xingu. O grupamento a Defesa Civil não parava de receber chamadas de pedidos de ajuda.
Propriedades que ficam no mesmo nível do Igarapé Altamira foram inundadas. Casas foram arrastadas pela correnteza. A ponte do igarapé Ambé não suportou a força da natureza e cedeu. No bairro açaizal as famílias através de embarcações tentavam salvar os poucos objetos que ainda restavam.
No centro da cidade o caos do trânsito, pontos de alagamentos, deram um grande trabalho para os órgãos de trânsito controlar a angústia dos altamirenses. O desespero era visível inúmeras pessoas ocuparam as vias da cidade umas procurando ajuda, outras querendo ir para casa.
Crianças eram resgatadas pelos militares. Gente passava mal,Os estabelecimentos comerciais foram tomados pela água. A autônoma Lucinéia Nascimento contabilizou os prejuízos mais de 30 mil reais.
A prefeitura do município afirmou que o atendimento a população está sendo realizado.
Com a enchente os alojamentos se dividiam, na Igreja Perpetuo Socorro inúmeras pessoas vítimas do desastre ambiental ocupavam o local. O bispo da Prelazia do Xingu lamentou a catástrofe e demonstrou preocupação com a construção de mais barragens na região.

De acordo com a defesa civil dos dados referentes ao ano de 2006 das cerca de 60 barragens construídas em torno de Altamira e região cerca de 9 romperam, causando o alagamento da cidade.

Ainda à noite a Av. Tancredo Neves que da acesso ao aeroporto da cidade estava interditada o bueiro que escoava a água no local foi carregado pela enxurrada. Quem precisou viajar teve que enfrentar o medo e seguir caminho em cima de uma passarela. No trecho da Av Djalma Dutra e Av.João Coelho os moradores tiveram que enfrentar a enchente na escuro, eles estavam sem energia. Segundo a Defesa Civil da cidade, mais de 90 famílias estão abrigadas em alojamentos ou em casa de familiares e só poderão retornar às suas casas assim que as águas baixarem.
Na manhã do dia 12, (Hoje) o caos em Altamira continuou. Quem precisou sair de casa para trabalhar teve dificuldades para chegar a seus locais de destino. O trânsito ficou congestionado até à noite.
Uma multidão se aglomerou hoje cedo na avenida Perimetral na tentativa de atravessar o trecho da ponte sobre o igarapé Altamira, que continuava inundado.
Na cidade o registro da destruição muita tristeza dos comerciantes frente ao prejuízo do estabelecimento. Com a enxurrada, todas as pontes que ligam o centro da cidade aos bairros mais distantes, foram destruídas ou danificadas. O único acesso ainda era a ponte da Perimetral. Ali o movimento era intenso. Veículos, ciclistas e pedestres disputavam o espaço. Filas enormes de veículos se formaram, resultando num caos no trânsito. O volume de água ainda era intenso. Demutran, Detran e Policia Rodoviária Federal tentavam organizar o trânsito e garantir a segurança na via. Moradores ainda tentavam resgatar parte de seus objetos, resultado de uma tragédia que vai ficar na história de Altamira.
Contador de visitas Acessos